sábado, 3 de setembro de 2011

Comercial da Nike banido

Amados, identifiquei algumas coisas interessantes nesse vídeo e coloquei abaixo como entendi. Senti uma opressão muito forte, maligna ao ver esse vídeo! tire suas conclusões:
video

Aos 0:03 segundos aparece um eclipse


aos 0:04 aparece um bode com dois chifres ( símbolo do Bamophet?)
O diabo aparece com 0:21 segundos


aos 0:07 segundos o Sol escurece com o eclipse  e um touro  de dois chifres( A besta apocaliptica? ) pisa na terra (A besta que sobe da terra?)
Jogadores malignos aparecem saindo do fogo com 0:24 segundos (ou será demônios?)


ao iniciar a partida (aos 0:33) eles só usam de violência contra o time dos jogadores  (os demônios)


O diabo assiste tudo feliz (0:38 segundos)


ele aparece mudando o humor aos 1:01 de propaganda


aos 1:04 de filme ele voa para o gol com a fisionomia diferente


Aos 1:12 ele é visto em sua presença maligna (me senti incomodado com essa cena)


ele é destruído com um chute em uma bola de futebol que se transforma em bola de fogo e o eclipse se desfaz (1:21)


FONTE: http://www.youtube.com/watch?v=fJbQUAyWiFY&feature=player_embedded

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Seja como Cristo! - Thomas Watson (1620-1686)

Imagem cedida por: http://jesusarthurehelen.blogspot.com/2011/06/subindo-cruz.html

Sejamos como Cristo em relação a sua disposição. Ele tinha uma disposição muito agradável. Cristo é "o deleite da humanidade", muito acima de Tito Vespasiano. Cristo convida pecadores a virem até ele. Ele tem entranhas para sentir misericórdia de nós, alimentos para nos alimentar, asas para nos cobrir. Ele nunca feriria nosso coração, mas só usaria misericórdia. Cristo foi feito a nossa semelhança? Então, sejamos como ele em doçura de disposição; não sejamos de um espírito moroso. O seguinte foi dito de Nabal: "Ele é filho de Belial, e não há quem lhe possa falar" (ISm 25.17). Alguns são tão bárbaros como se fossem amigos de avestruz, são cheios de ira e respiram nada mais que vingança, ou são como aqueles homens no evangelho: "Endemoninhados, saindo dentre os sepulcros, e a tal ponto furiosos, que ninguém podia passar por aquele caminho" (Mt 8.28). Sejamos como Cristo na mansidão e na doçura. Oremos por nossos inimigos e os vençamos pelo amor. A bondade de Davi derreteu o coração de Saul (ISm 24.16). Um coração congelado será derretido com o fogo do amor.
Sejamos como Cristo na graça. Ele foi como nós na carne, sejamos como ele na graça. Devemos nos esforçar para ser como Cristo em humildade: "A si mesmo se humilhou" (Fp 2.8). Ele abandonou as vestimentas reluzentes de sua glória para ser vestido com os trapos de nossa humanidade. Que humildade maravilhosa. Sejamos como Cristo nessa graça. "Humilhação", diz Bernardo, "é um desprezo da própria excelência", um tipo de auto-aniquilação. Essa é a glória de um cristão. Aos olhos de Deus, nunca somos tão atraentes, a não ser quando somos sujos aos nossos próprios olhos. Sejamos assim como Cristo. A religião verdadeira é imitar a Cristo. De fato, é maravilhoso ser humilde, olhar dentro de nós, para baixo de nós, acima de nós.
Quando olhamos dentro de nós, vemos nossos pecados como que no espelho da consciência: luxúria, inveja e paixões. Nossos pecados são como vermes rastejando para dentro de nossas almas: "Quantas culpas e pecados tenho eu?" (Jó 13.23). Nossos pecados são como a areia do mar, como as rochas do mar são pesados. Agostinho declara: "O meu coração, que é o templo de Deus, está poluído com o pecado".
Quando olhamos ao nosso redor, vemos algo que pode nos tornar humildes. Vemos outros cristãos se sobressaindo em relação a nós com seus dons e graças, assim como o Sol se destaca em relação às estrelas. Outras pessoas são agraciadas com frutos, talvez tenhamos aqui e ali uma frutinha crescendo que manifeste adequadamente o que somos (Is 17.6).
Quando olhamos abaixo de nós, vemos alguma coisa que pode nos fazer humildes. Podemos ver a terra de onde viemos. A terra é o elemento mais vil que há: Eram mais vis que a terra (Jó 30.8).83 Você que mostra sua insígnia e refulge seu brasão, olhe bem qual é a sua origem. Você é formado somente por cinzas ambulantes. Por que você é tão orgulhoso? O que foi Adão? O filho do pó da terra. E o que é o pó? O filho do nada.
Quando olhamos acima de nós, também vemos algo que pode nos fazer humildes. Olhando para o céu se vê Deus resistindo ao orgulhoso. Deus persegue o orgulhoso para se vingar. O homem orgulhoso é o alvo no qual Deus atira e nunca erra. Deus lançou o orgulhoso Lúcifer para fora do céu. Ele tirou o orgulhoso Nabucodonosor de seu trono e o fez comer grama (Dn 4.25). Sejamos como Cristo na humildade.
Cristo tomou nossa carne? Ele foi feito como nós? Sejamos como ele no zelo: "O zelo da tua casa me consumirá" (Jo 2.17). Ele foi zeloso quando tentaram desonrar seu Pai. Sejamos também como Cristo nisto, zelosos para com a verdade e a glória de Deus que são as duas pérolas orientais da coroa do céu. O zelo é tão necessário para o cristão quanto o sal ou o fogo do altar para o sacrifício. O zelo sem a prudência é insensatez, prudência sem zelo é covardia. Sem o zelo nossos serviços não são aceitáveis
a Deus. O zelo é como a resina para os fios do violino, sem os quais o músico não produz a música.
Seja como Cristo em relação ao desprezo ao mundo. Quando Cristo tomou nossa carne não veio no orgulho dela, não veio de uma descendência imediata de reis e de nobres, mas de uma parentela simples. Cristo não tinha ambição de títulos ou de honra. Ele os declinou com a grandeza mundana na mesma intensidade que outros os buscam. Quando poderia se fazer rei, ele o recusou. Ele preferiu cavalgar nas costas de um burro que ser levado em uma carruagem, preferiu ser pendurado numa cruz de madeira que usar uma coroa dourada. Ele rejeitou a pompa e a glória do mundo. Ele abriu mão de assuntos seculares: "Quem me constituiu juiz?" (Lc 12.14). Sua obra não era arbitrar em questões da lei, veio ao mundo não para ser um magistrado, mas um redentor. Ele era como uma estrela em uma órbita mais alta, importava-se somente com o céu. Cristo foi feito como nós? Sejamos como ele, apegados aos céus e não ao mundo. Não sejamos ambiciosos de honras e de vantagens do mundo. Não compremos o mundo com a perda da boa consciência. Que sábio gostaria de perder a sua alma para ficar rico? Quem jogaria sua alma no inferno a fim de construir uma propriedade? Seja como Cristo em um santo desprezo do mundo.


Seja como Cristo em suas conversas. Cristo se encarnou? Ele foi feito como nós? Sejamos como ele na santidade de vida. Nenhuma tentação poderia pegá-lo: "Aí vem o príncipe do mundo; e ele nada tem em mim" (Jo 14.30). A tentação para Cristo era como uma fagulha sobre um pilar de mármore que desaparece rapidamente. "A vida de Cristo", diz Crisóstomo, "era mais brilhante do que os raios do Sol". Sejamos como ele nisto: "Segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento" (IPe 1.15). Agostinho dizia que nós não temos de ser como Cristo no exercício dos milagres, mas na vida > santa. Um cristão deveria ser tanto uma magnetita quanto um diamante. Uma magnetita ao atrair outros para Cristo, um diamante ao emitir uma luz brilhante de santidade em sua vida. Sejamos justos em nossos negócios, verdadeiros em nossas promessas, devotos em nossa adoração, sem mancha em nossas vidas a tal ponto de sermos figuras ambulantes de Cristo. Assim como Cristo foi feito à nossa semelhança, lutemos para ser feitos à semelhança dele.
 
FONTE: http://www.josemarbessa.com/2011/08/seja-como-cristo-thomas-watson-1620.html

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

A Vergonha de não defender a Verdade – João Calvino (1509-1564)

Imagem cedida por: http://presbiterianoscalvinistas.blogspot.com/2011/04/importancia-de-joao-calvino-na-teologia.html


Temos de menosprezar todos os artifícios e imposturas de Satanás e todas as invenções humanas como coisas frívolas e carnais, já que corrompem a pureza cristã; nesse particular diferindo, como verdadeiros mártires de Cristo, das pessoas irracionais que sofrem por meras absurdidades. Em segundo lugar, assegurando-nos da boa causa, consequentemente, temos de ser inflamados para seguir a Deus aonde quer formos por Ele chamados. Sua Palavra tem de ter tal autoridade para conosco como ela merece, e, havendo-nos retirado deste mundo, temos de nos sentir arrebatados na busca da vida santificada.


Porém, é mais que estranho que, embora a luz de Deus esteja brilhando mais radiantemente que nunca, haja uma lamentável falta de zelo. Em resumo, é impossível negar que é para nossa grande vergonha, para não dizer temível condenação, que conhecemos tão bem a verdade de Deus e temos tão pouca coragem em defendê-la. Acima de tudo, quando olhamos para os mártires do passado, nos envergonhamos de nossa covardia! Em sua maioria não eram pessoas muito versadas nas Santas Escrituras para poderem disputar em todos os assuntos. 


Eles sabiam que havia um Deus, a quem convinham adorar e servir; que haviam sido remidos pelo sangue de Jesus Cristo a fim de colocarem a confiança de salvação nEle e em sua graça; e que todas as invenções dos homens, sendo mera inutilidade e lixo, eles deviam condenar todas as idolatrias e superstições. Numa palavra, sua teologia era, em substância, esta: Há um Deus que criou todo o mundo e nos declarou sua vontade por Moisés e pelos profetas, e, finalmente, por Jesus Cristo e seus apóstolos; e temos um Redentor exclusivo, que nos comprou por seu sangue e por cuja graça esperamos ser salvos. Todos os ídolos do mundo são amaldiçoados e merecem abominação.


Com um sistema abarcando nenhum outro ponto que não esses, eles foram corajosamente às chamas ou a qualquer outro tipo de morte. Não entravam de dois em dois ou de três em três, mas em tamanhos grupos, cujo número dos que caíram pelas mãos dos tiranos é quase infinito.     

FONTE; http://www.josemarbessa.com/2011/07/vergonha-de-nao-defender-verdade-joao.html

Herdeiros da ira Divina – Thomas Watson (1620-1686)

Imagem cedida por: http://convictosoualienados.blogspot.com/2011/03/forca-da-natureza-ou-ira-de-deus.html


Qual é a desgraça desse estado em que o homem caiu?

RESPOSTA: Toda a humanidade, por sua queda, perdeu a comunhão com Deus, todos estão sob sua ira e sua maldição e, então, são responsáveis por todas as desgraças da vida, pela própria morte e o sofrimento eterno no inferno.

"E éramos, por natureza, filhos da ira" (Ef 2.3). Adão legou um quinhão infeliz para sua posteridade: pecado e desgraça. Já consideramos a primeira parte, o pecado original. Vamos, agora, considerar a desgraça desse estado. Naquele, consideramos a ofensa da humanidade; neste, vamos considerar o sofrimento da humanidade.

A desgraça resultante do pecado original é dupla:

1.      Particularmente

Por esse primeiro pecado hereditário, perdemos a comunhão com Deus. Adão era íntimo de Deus, seu favorito, porém, o pecado nos colocou fora do âmbito desse favor. Quando perdemos a imagem de Deus, perdemos seu relacionamento conosco. Ao banir Adão do paraíso, Deus, de maneira figurada, mostrou como o pecado nos afasta de seu amor e seu favor.

2.      Absolutamente

Em quatro aspectos: 1. Sob o poder de Satanás; 2. Herdeiros da ira de Deus; 3. Sujeitos a todas as desgraças desta vida; e 4. Abandonados ao inferno e à condenação eterna.


a. Sob o poder de Satanás

A primeira desgraça é que, pela natureza, estamos "sob o poder de Satanás", que é chamado de "o príncipe da potestade do ar" (Ef 2.2). Antes da queda, o homem era um cidadão livre, agora é um escravo; antes, um rei em seu trono, agora, está em grilhões. A quem o homem está escravizado? Aquele que é seu inimigo. Isso tornava pior o cativeiro de Israel. "Sobre eles dominaram os que os odiavam" (SI 106.41). Pelo pecado somos escravizados a Satanás, inimigo da humanidade, que escreve todas as suas leis com sangue. Os pecadores, antes da conversão, estão sob as ordens de Satanás; como o asno está sob o comando do condutor, assim ele conduz todos que labutam pelo mal. Assim que Satanás tenta, eles obedecem. Como o navio está sob o comando do piloto, que o guia pelos caminhos que quiser, assim é o pecador sob o comando de Satanás: e este sempre conduz o navio para o inferno. O maligno dirige todos os poderes e todas as faculdades do pecador.

i. Satanás dirige o entendimento. Ele cega os homens com ignorância e, depois, dirige-os. Como os filisteus arrancaram os olhos de Sansão e, assim, o amarraram, Satanás pode fazer o que quiser com um homem ignorante, uma vez que ele não enxerga o erro em seu caminho, o mal pode guiá-lo a qualquer pecado. Você pode guiar um cego para onde quiser, pois todo o pecado está fundamentado na ignorância.

ii. Satanás dirige a vontade. Embora ele não possa obrigar, pode, pela tentação, atrair. "Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos" (Jo 8.44). Ele toma os corações, e estes, passam a lhe obedecer. "Queimaremos incenso à Rainha dos Céus" (Jr 44.17). Quando o mal instiga um pecador com a tentação, ele irá atropelar e quebrar todas as leis de Deus, de maneira a obedecer Satanás. Onde está, então, o livre-arbítrio, quando Satanás exerce tal poder sobre a vontade? "E quereis satisfazer-lhe os desejos." Não há uma só parte do corpo que não esteja a serviço do mal: a cabeça planeja o pecado, as mãos o executam, os pés correm para executar a tarefa do maligno. Cícero dizia: "A escravidão é odiosa para um espírito nobre". Satanás é o pior tirano. A crueldade de um canibal ou de Nero é nada para ele. Outros tiranos governaram sobre o corpo, ele governa sobre a consciência. Outros tiranos mostraram alguma misericórdia para com seus escravos: ainda que trabalhassem nas galés, eles lhes davam carne, davam-lhes horas de descanso. Satanás é um tirano impiedoso: não dá descanso. Quanto pesar Judas suportou. O diabo não lhe deu nenhum descanso até que traísse Cristo e, depois, encharcasse as mãos em seu próprio sangue.


APLICAÇÕES

Primeira aplicação: veja nossa desgraça causada pelo pecado original, escravizados a Satanás. Efésios 2.2 diz que Satanás atua absolutamente nos filhos da desobediência. Que triste praga é para um pecador estar a serviço do mal. Exatamente como um escravo, se os senhores mandam que cave nas minas, quebre pedras nas pedreiras ou puxe os remos, ele tem de obedecer, não ousa recusar. Se o diabo manda que um homem minta ou roube, ele não se recusa e, o que é pior, voluntariamente obedece a esse tirano. Outros escravos são forçados contra sua vontade: "os filhos de Israel gemiam sob a servidão" (Ex 2.23). Os pecadores, porém, estão dispostos a serem escravos, não escolhem a liberdade, mas beijam seus grilhões.

Segunda aplicação: trabalhemos para sair dessa condição deplorável na qual o pecado nos afunda, saindo debaixo do poder de Satanás. Se qualquer um de seus filhos fosse feito escravo, você daria grandes somas de dinheiro para resgatar sua liberdade. Quando, então, suas almas estão escravizadas, não devemos lutar para libertá-las? Promova o evangelho. O evangelho proclama alegria para os cativos. O pecado prende os homens, porém o evangelho os liberta. A pregação de Paulo era "para lhes abrires os olhos e os converteres das trevas para a luz e da potestade de Satanás para Deus" (At 26.18). A estrela do evangelho guia a Cristo e, se tiverem Cristo, então serão livres, embora não da existência do pecado, mas da tirania de Satanás. "Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres" (Jo 8.36). Vocês desejam ser reis para reinarem no céu e vão deixar que Satanás reine em vocês? Não pensem em ser reis quando morrerem e escravos enquanto viverem. A coroa de glória é dos vencedores, não dos cativos. Então, saia da jurisdição de Satanás, deixe que seus grilhões de pecado sejam eliminados pelo arrependimento.

b. Herdeiros da ira de Deus

"Éramos por natureza filhos da ira." A explanação que Tertuliano faz dessa passagem está errada, pois ele entende a expressão "filhos da ira" de maneira subjetiva, ou seja, sujeitos à ira e à cólera, transgressores frequentes na irascível faculdade de um espírito irado. Por "filhos da ira", o apóstolo, passivamente, quer dizer herdeiros da ira, expostos à cólera de Deus. O Senhor, no passado, foi um amigo, porém, o pecado quebrou os laços de amizade. Agora, o sorriso de Deus se transformou numa carranca. Julgados no tribunal, fomos feitos filhos da ira. "Quem conhece o poder da tua ira?" (SI 90.11). "Como o bramido do leão, assim é a indignação do rei" (Pv 19.12). Como o coração de Hamã não deve ter tremido, quando o rei, enfurecido, levantou-se durante o banquete (Et 7.7).

A ira de Deus, todavia, é infinita, outras iras são somente fagulhas: em Deus, a ira não é passional, como em nós; é, antes, uma ação da santa vontade de Deus, pela qual ele execra o pecado e decreta a sua punição. Essa ira é muito triste e é ela que acirra a aflição desta vida, como quando vem a doença, atendendo à cólera de Deus, e a consciência entra em agonia. A mistura do fogo com a saraiva deixa a situação mais terrível (Êx 9.24). Portanto, a mistura da ira de Deus com a aflição produz algo torturante: é um cravo a mais no jugo. A ira de Deus, mesmo só ameaçadora (como o aguaceiro suspenso nas nuvens) fazia as orelhas de Eli tinirem; o que dizer, então, de quando a ira é efetuada? É terrível quando o rei avalia e censura um traidor, mas, é muito mais terrível quando ele o manda para o cavalete ou para ser moído na roda. "Quem conhece o poder da ira de Deus?"

Enquanto formos filhos da ira não podemos fazer nada com as promessas, elas são como a árvore da vida, produzindo muitos tipos de fruto, mas da qual não temos o direito de tirar nem uma só folha. "Filhos da ira" (Ef 2.3), "estranhos às alianças da promessa" (Ef 2.12). As promessas são como uma fonte selada. Enquanto estivermos no estado natural, não vemos nada a não ser a espada flamejante, como diz o apóstolo: "Pelo contrário, certa expectação horrível de juízo e fogo vingador" (Hb 10.27). Enquanto formos filhos da ira, estamos todos "debaixo da maldição" (Gl 3.10). Como o pecador pode comer e beber estando em tal condição? É como Dâmocles, no banquete, que ao sentar para a refeição principal tinha uma espada sobre sua cabeça, pendurada somente por um fio, por isso não podia comer. Assim é a espada da ira e da maldição de Deus, suspensa a todo o tempo sobre o pecador. Lemos sobre um rolo voador, cheio de maldições (Zc 5.3). Um rolo com maldições vai contra cada pessoa que vive e morre em pecado. A maldição de Deus arruina tudo por onde passa. Há uma maldição sobre o nome do pecador, uma maldição sobre sua alma, uma maldição sobre seu estado e sobre sua posteridade, uma maldição sobre a lei. É muito triste se tudo o que o homem comer se transformar em veneno; assim, o pecador come e bebe a própria condenação à mesa de Deus. É assim antes da conversão. Como o amor de Deus transforma qualquer coisa amarga em doce, do mesmo modo a maldição de Deus transforma tudo o que for doce em amargo.

FONTE; http://www.josemarbessa.com/2011/04/herdeiros-da-ira-divina-thomas-watson.html
 

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Sonho Profético: Sonho com Tsunami

Imagem cedida por: http://cienciasmundi.blogspot.com/2011/07/tsunami-no-brasil-sbpc.html


Gostaria de compartilhar um sonho profético que recebi no início de 2009. Este sonho é sobre um grande Tsunami em uma praia do Brasil, mas eu não sei exatamente aonde pois não me foi mostrado, mas a areia era muito branca e limpa e a água muito azul, e todos que lá estavam, eram todos brasileiros.

No sonho eu me via subindo um pequeno caminho entre dunas para chegar até a praia. Quando terminei de atravessar estas dunas eu me deparei com um grande tsunami vindo em nossa direção e era possível enxergar-lo no horizonte de muito longe. No sonho eu era o único a apontar e mostrar desesperadamente ao povo o que estava acontecendo e a onda continuava chegando, mas ninguém se importava, ninguém à via.

Todos olhavam para mim rindo como seu eu estivesse louco ou passando por um colapso naquele momento ou até mesmo como uma pessoa que tivesse problemas psiquiátricos, esta foi a sensação.

Então ali, logo após estes acontecimentos, eu senti a presença do Senhor com toda a sua força chegando atrás do meu ombro, e uma voz falou ao meu ouvido direito e disse: "Corre de encontro a agua".
Naquele momento eu fiquei com muito medo, quase ao ponto de hesitar a obedecer à ordem. Então eu corri, mesmo temendo pela minha vida fui correndo desesperadamente de encontro a agua, e eu me via entrando correndo e saltando através das pequenas ondas, da mesma forma que você entra correndo no mar em um dia de verão. Assim chegando a uma certa distância mar a dentro e de encontro com esta enorme onda, eu me abaixei, tipo estando de cócoras e de perfil contra a onda encostando o meu ombro direito nela.

Eu escutava o barulho de muitas aguas, de muitas ondas atrás desta e o som era estarrecedor.

De cócoras, e com as duas mãos na minha cabeça, eu olhava para cima com muito medo e via que a onda aumentava velozmente, tanto sua altura como força a cada segundo, chegando a 10, 20, 30, 40, 50 metros. Eu via e sentia os espirros lá encima das ondas se chocando uma nas outras com tremenda violência. Naquele momento de temor pela minha vida, notei que a onda parava exatamente aonde eu estava, tipo formando uma muralha de agua por toda a orla da praia. Se eu fosse um pouco mais em direção a praia, a onde me seguia, e se eu entrasse mar a dentro a onda entrava também.

Então neste momento, eu senti um refrigério, pois vi que havia o controle do Senhor Jesus sobre a onda e o mar.

Naquele momento a mesma presença e timbre de voz que falou comigo anteriormente veio ao meu ouvido direito e disse: "Olha Wesley, olha como é maravilhosa esta onda" e rapidamente mudou o tom de voz como se estivesse irado e disse: "Você tem 1 hora para deixar a cidade" e em segundos o sonho terminou.
Eu acordei todo suado em minha cama. Foi uma experiência extraordinária, mas apavorante ao mesmo tempo.

FONTE: http://www.vigiai.com.br/Sonhos-Visoes-Profecias/

Redes sociais